Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 1996

São Paulo - Brasil

 

O milagre asiático: mito ou realidade?

10/08/96

 

Rubens Ricupero

Paul Krugman, professor de Stanford considerado por muitos como o mais interessante e original dos especialistas em economia internacional, provocou uma apaixonada polêmica com o ensaio que publicou no "Foreign Affairs" de fins de 1994 sob o título de "O Mito do Milagre da Ásia".

Com certo amor pelo paradoxo, nele se comparava o atual entusiasmo pelo desempenho asiático à igual admiração que despertava a expansão soviética nos anos 50 e 60. Foi o tempo, lembram-se?, em que Kruschev era levado a sério ao prometer que "enterraria" os capitalistas.

Em ambos os casos, sugere Krugman, o crescimento acelerado se explicaria apenas pelo aumento maciço dos insumos, isto é, por doses cada vez maiores de investimento em capital e mão-de-obra.

Sem ganhos comparáveis em eficiência e produtividade, o crescente emprego de insumos acabaria sendo vítima da lei de rendimentos decrescentes, como sucedeu na União Soviética.

A tese deve talvez ser tomada com um grão de sal. Afinal, o próprio economista de Stanford confessou, em esclarecimento posterior, que seu propósito principal tinha sido "sacudir o que temia estivesse se convertendo num círculo fechado de complacência intelectual".

Não obstante essa admissão de um intuito provocador, o artigo não deixou de ser em parte profético, ao questionar uma experiência que começa a apresentar sinais dos dois sintomas que caracterizaram, em seu tempo, a "doença latino-americana", a saber, a queda das exportações de manufaturas e o agravamento dos problemas do balanço de pagamentos.

A primeira tendência só se tornou perceptível nos primeiros meses deste ano. Após um ano excepcional como 1995, que registrou para o conjunto da área uma expansão de 17% nas exportações, estas começaram a sofrer sensível desaceleração, caindo, por exemplo, de quase 24% a 6% na Tailândia, de 26% para 6,4% no caso das vendas chinesas aos EUA, e quedas apreciáveis, embora menores, nas exportações da Malásia, da Coréia do Sul, de Taiwan e de Hong Kong.

O fenômeno parece estar ligado a quatro razões principais:

1ª) A redução no volume e no valor das exportações de produtos eletrônicos e componentes (alguns tipos de chips sofreram colapso de 60% no preço, lembrando o comportamento de "commodities").

2ª) A maior competitividade japonesa, decorrente da desvalorização do iene ante o dólar.

3ª) Moedas excessivamente valorizadas na Coréia, China e Tailândia (como no Brasil, aliás).

4ª) O enfraquecimento da demanda na Europa, apesar de que este fator deveria ter sido mais do que compensado pela recuperação da economia no Japão e nos Estados Unidos.

A contração das exportações veio agravar um problema preexistente, o do desequilíbrio do balanço de pagamentos. Nos casos mais sérios, como os da Tailândia e da Malásia, o déficit em contas-correntes poderá este ano situar-se acima de 8% do PIB, valor que lembra a situação do México às vésperas da crise de dezembro de 1994.

A analogia com a América Latina se detém por aí, pois em outros aspectos decisivos do desenvolvimento, como as taxas de poupança e investimento, os asiáticos continuam com desempenho próximo do miraculoso. No ano passado, por exemplo, o investimento foi de 38,3% do PIB na Indonésia, 39,5% na China, 40% na Tailândia e 40,5% na Malásia. Isso sem mencionar a diferença fundamental, em termos de inflação e déficits orçamentários muito mais reduzidos do que a média histórica das décadas recentes nos países latino-americanos.

Não se deve tirar conclusão exagerada das dificuldades asiáticas, que são em parte conjunturais e superáveis, em parte reflexo da necessidade de mudanças na estrutura de produção e exportação de economias que começam a sentir a concorrência de países de custos mais baixos como o Vietnã, Birmânia e Bangladesh.

Justifica-se, porém, acompanhar de perto e desde os primeiros sinais qualquer mudança de comportamento em economias que, afinal de contas, são a única prova durável de que o subdesenvolvimento tem cura.

É por isso que todos procuram apreender as lições encerradas no crescimento asiático, mas, como diz provocativamente Krugman, cada um vê na Ásia a imagem de suas próprias idéias. Para alguns, a Ásia demonstra o poder do mercado; para outros, a efetividade de políticas industriais orientadas pelo Estado ou as virtudes do autoritarismo.

Sempre irreverente, conclui: ''Pessoalmente, não acho que nenhuma dessas lições seja óbvia. A única lição irrecusável que vejo no crescimento asiático é que uma maneira de conseguir uma boa porção de 'output' é de usar uma boa porção de 'imputs'''.

...


Anos

2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000

1999        1998        1997        1996        1995        1994

 

 


<<Voltar