Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 1996

São Paulo - Brasil

 

A vingança da história

23/03/96

 

Rubens Ricupero

Na vaga de entusiasmo suscitado pela queda do muro de Berlim festejou-se prematuramente o fim da história.

Pela primeira vez desde a Revolução Russa de 1917, desaparecia da cena o desafio ideológico ao monopólio dos valores ocidentais da democracia representativa e da economia de mercado.

Após o excesso de excitação de um século de guerras e revoluções, deveríamos supostamente preparar-nos para um período de monotonia invariável e interminável.

Para nossa distração, sobrariam apenas os problemas técnicos de uma economia globalizada e determinante de toda vida social.

Ruanda e a Bósnia se apressaram em demolir o que havia de mais ingênuo e extremo nessa neo-utopia.

Era fácil, porém, descartá-las porque se tratava, nos dois casos, de áreas marginais e periféricas tanto em relação ao espaço da civilização como do ponto de vista do seu peculiar tempo anacrônico.

Os últimos dias se encarregaram, contudo, de continuar a desmantelar o castelo de ilusões a golpes de brutal realismo.

A exacerbação do sanguinário conflito na Tchetchênia e a recriação da União Soviética pelo Parlamento russo relembraram uma verdade que tem estado há séculos no coração da história européia.

Não é preciso, de fato, recorrer a pretextos ideológicos para avivar antagonismos que deitam raízes em antigas diferenças étnicas e nacionais.

Mais surpreendente talvez tenha sido o recrudescimento, após décadas em estado de dormência, da tensão entre a China e Taiwan.

Como na reprise de um velho filme, voltam às telas da televisão as cenas de bombardeio, de evacuação de ilhas, de porta-aviões norte-americanos rondando o estreito.

Um aspecto a reter desse retorno de fantasmas que se acreditava aposentados foi a revelação súbita da precariedade e insuficiência dos fatores econômicos para sustentar uma dinâmica de paz e estabilidade.

Bastou que se desencadeasse a crise para que, em questão de dias, se evaporassem mais de US$ 5 bilhões das ainda abundantes reservas de Taiwan.
Há cerca de quatro meses atrás, os países da Apec (Associação de Cooperação Econômica do Pacífico), que incluem a China e os Estados Unidos, decidiram numa reunião realizada no Japão, constituir uma zona de livre comércio nas primeiras décadas do século próximo.

Saudou-se na época a decisão como a prova que se esperava do advento definitivo da nova era do predomínio do Pacífico.

Não faltaram também, é verdade, vozes para assinalar a persistência na região de graves problemas de segurança sem solução, assim como para realçar a fragilidade do nível de sua integração política, em contraste com a Europa, por exemplo.

Não custa lembrar que, durante a Guerra fria, os únicos conflitos quentes para valer ocorreram na Ásia.

Aliás, as guerras da Coréia e do Vietnã não deixaram de ter uma relação indireta com o grande surto econômico que se registrou depois, como havia igualmente sucedido no Japão e na Europa.

Disso tudo a lição a tirar é que não há nada de determinista ou irreversível em fenômenos econômicos como a globalização.

No apogeu vitoriano, o grau de integração do comércio mundial e do movimento de capitais foi igual ou maior do que o atual. Tudo se perdeu com a Primeira Guerra e com o que veio depois.

Longe de ser autônoma e toda-poderosa, a economia continua refém da política e da história.

E estas _sempre que se pretende ignorar seus problemas, varrendo-os para debaixo do tapete_ vingam-se destruindo o que se quis construir sem elas.
Afinal, como lembra o provérbio português, "ódio velho não cansa".

...


Anos

2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000

1999        1998        1997        1996        1995        1994

 

 


<<Voltar