Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2001

São Paulo - Brasil

 

A guerra contra o terror e outras guerras

23/09/01

 

Rubens Ricupero

"ASSIM COMO Pearl Harbor despertou o país da ilusão de que poderia evitar o dever de defender a liberdade na Europa e na Ásia na Segunda Guerra Mundial, esse mais recente ataque de surpresa deveria obliterar a convicção de alguns setores de que os Estados Unidos são capazes de lidar sozinhos com o terrorismo ou qualquer problema do gênero." Ao transcrever essa frase, o "The New York Times" observava, no dia 19, que ninguém insinuaria que ela representasse crítica ao governo do presidente Bush, muito menos seu autor, que não é outro que o pai e predecessor do presidente. Trata-se, segundo o jornal, "de inconfundível esforço do pai para afirmar que seu filho estava rompendo com o passado recente".

Há, para nós, várias lições a tirar do episódio. A primeira é que, da mesma forma que os americanos, temos de saber interpretar os sinais dos tempos e compreender que nem os EUA nem o mundo serão os mesmos depois do que aconteceu há menos de duas semanas. A segunda lição é que, em nosso caso, as consequências serão menos político-militares e mais econômicas e que precisamos conduzir revisão profunda das premissas inspiradoras das nossas relações com a economia internacional, antes de sermos a isso forçados pelos acontecimentos.

Embora tenha causas distintas, a recessão mundial é parte do mesmo fenômeno de aumento de insegurança e perda de controle do sistema internacional presente na proliferação do terrorismo. Suas origens se encontram, entre outras, na incapacidade dos grandes de coordenar e cooperar efetivamente na condução de suas políticas macroeconômicas. Sabia-se do risco de uma desaceleração ao mesmo tempo de todas as locomotivas do mundo avançado, houve inúmeras advertências contra as loucuras das Bolsas ao dirigir trilhões de dólares a investimentos especulativos em telecomunicações, mas nada se fez para evitar que se confirmassem as profecias.

Se há alguma coisa que se tornou menos incerta como resultado do ataque terrorista, é precisamente a perspectiva imediata da economia americana e da internacional, neste momento muito mais sombria do que antes. Até então, era só a confiança dos consumidores que freava um pouco a economia na ladeira ensaboada da recessão. Ora, quase na véspera do dia fatídico, a Universidade de Michigan revelara que o índice de confiança tinha caído 7,9 pontos, mais do que no início da recessão de 91-92. A esse movimento ladeira abaixo, temos de somar agora o empurrão adicional imprimido pelo trauma brutal e direto no coração do país, o qual deve provavelmente ser considerável (quando ocorreu a invasão do distante Kuait, o índice despencou 11,8 pontos). A confiança é afetada sobretudo pelo nível de emprego, a valorização das Bolsas e as expectativas de lucros, todos em queda acentuada. O desemprego, por exemplo, pode chegar a 100 mil nas companhias aéreas e a 30 mil na Boeing, além do milhão de pessoas que deixou de trabalhar nos últimos meses.

O cenário internacional é igualmente gelado: crescimento anêmico, talvez pouco mais de 1%, o comércio passando dos espetaculares 12,5% do ano passado para talvez 3% neste (se tanto). Em relação aos investimentos diretos, a Unctad acaba de publicar sua estimativa para o corrente ano: eles desabarão 40%, o maior colapso em três décadas (entre os industrializados, a queda será de 49%; para os países em desenvolvimento, a queda é menor: 6%).

É pouco provável que o panorama melhore muito até pelo menos a segunda metade do ano próximo. Tentar enxergar mais longe é tarefa quase impossível. Em parte, a complicação vem da semântica. Repete-se que estamos no limiar da primeira guerra do século 21, mas desconfia-se de que se trata de guerra de características bem diferentes das do passado. Só conhecemos da estratégia americana as linhas gerais, e isso é muito pouco: haveria dois tempos na campanha, o primeiro circunscrito a liquidar a organização responsável pelo assalto recente e seus protetores; o segundo dirigido mais amplamente contra "outros", organizações e países indefinidos aparentemente a ser ainda identificados. Quanto tempo durará isso tudo, que tipo de operações será necessário, haverá ou não efeitos sobre os produtores de petróleo, quais os custos em vidas e perdas econômicas? Ninguém sabe. A incerteza alimenta a volatilidade dos mercados, que a detestam tanto ou mais do que o medo da guerra. Também mantém viva a discussão entre os economistas sobre o caráter temporário ou duradouro dos efeitos.

Para nós, isso é irrelevante, pois mesmo o temporário, isto é, até meados de 2002, já nos cria perigo grave. No último "Global Data Watch", da JP Morgan (14/9), o Brasil divide com a Turquia o duvidoso privilégio de concentrar a preocupação dos mercados devido ao aumento dos "spreads". O boletim acrescenta que a Turquia tem a vantagem de uma posição estratégica de aliada e fornecedora de bases vitais para os EUA no Oriente Médio.

É claro que devemos fazer a nossa parte no esforço comum contra os autores dessa monstruosa atrocidade. No entanto o próprio exemplo citado acima mostra que é limitado nosso papel no terreno militar. Em contraste, a tendência é para que estejamos entre as primeiras vítimas das consequências econômicas colaterais da deterioração mundial. O motivo é sempre o mesmo: aumentou perigosamente a nossa vulnerabilidade em razão da dependência financeira do exterior, produto, por sua vez, da premissa de que a integração à globalização financeira nos permitiria financiar sem sustos os nossos déficits. Não será acaso temeridade mortal persistir nessa ilusão?

Na última grande guerra, países como o Brasil e a Argentina até que não se saíram mal: exportaram alimentos, matérias-primas, acumularam com o exterior gigantescos saldos, pois não havia manufaturas para importar, tiveram de substituir as importações com a indústria doméstica, não por escolha protecionista, mas porque precisavam implorar a Washington para ter direito a comprar pequena cota dos escassos produtos industriais disponíveis para o que não fosse o esforço de guerra. Aliás, o Brasil já voltara a crescer mesmo na Grande Depressão, pois conseguiu rever em tempo as premissas da sua política orçamentária e de dívida externa à luz das mudanças no cenário internacional. Na crise dos 30 e da Segunda Guerra, o país soube responder. Seremos agora capazes de ler os novos sinais dos tempos, diversos dos daquela época, mas igualmente desafiadores?
 

...


Anos

2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000

1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar