Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


[eventual.htm]

<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2004

São Paulo - Brasil

 

Tempo de superlativos

16/05/04

 

Rubens Ricupero

"Era o melhor dos tempos, era o pior dos tempos." A frase que abre "Uma História de Duas Cidades" é um dos começos inesquecíveis de romance. Ela se estende em diversas linhas de variações sobre o tema do "chiaroscuro": era a idade da sabedoria, a idade da tolice; a época da fé, a da incredulidade; a estação da luz, a das trevas; a primavera da esperança, o inverno do desespero; diante de nós, tínhamos tudo e nada; estávamos indo direto para o céu e na direção oposta _em resumo, conclui, era tão parecido com o presente que só o grau superlativo lhe servia.

Charles Dickens reservou essa abertura como digno início de sua grande novela sobre a Revolução Francesa. Embora estejamos longe de viver tempos heróicos como aqueles, os nossos fazem jus de alguma forma a uma razoável dose de superlativos e de contrastes. O momento geoestratégico não é certamente o pior em termos absolutos, mas a calamidade em que se converteu o Oriente Médio, do Iraque a Israel, torna o pior uma hipótese plausível. Como sempre ocorre em tempos de gastança militar, déficits e juros perto de zero, a economia brota com viço e opulência. A estimativa da OCDE projeta expansão de 4,7% para os EUA, o melhor ano da economia mundial desde 2000. Paradoxalmente, os jornais europeus estamparam, no dia 12, essa estimativa na mesma página em que a Goldman Sachs constatava que o índice de confiança dos executivos em todo o mundo baixara de 93,9, três meses atrás, a 77,6 agora, o pior em quase um ano.

A mesma oposição dickensiana de boas e más notícias marcou a semana inteira. A manchete do dia 11 era o desabamento dos mercados, com o índice Dow Jones mergulhando abaixo de 10 mil pontos e quedas mais acentuadas na Ásia e na Europa. O detonador do pânico foi a criação de mais de 280 mil empregos em um mês nos EUA. Qualquer pessoa normal acharia essa uma boa notícia, pensando nos 3 milhões de desempregados que buscam colocação. Os mercados, no entanto, são perversos. Não vêem milhares de rostos que se iluminam com um emprego, mas a probabilidade de que o Federal Reserve tenha de antecipar a hora de aumentar os juros. Tampouco se preocupam com o possível impacto negativo que o aumento teria para o crescimento econômico.
O juro atual de 1% é estimulante potente da expansão. Levando em conta a inflação americana, a taxa teria de ultrapassar 3% para começar a ter efeito desacelerador (é inútil lembrar, para o leitor brasileiro, que esses valores são anuais, e não mensais, diferentemente das taxas vigentes em nossas latitudes).

Mas, se é assim, se o juro é ainda insignificante, por que se assustam os mercados com a eventualidade de uma elevação que, conforme tranqüilizou o sr. Alan Greenspan, presidente do Fed, será pequena e gradual, "en douceur"? Aí é que entra a especulação. Aproveitando a galinha morta dos juros americanos e internacionais, os especuladores tomaram emprestadas somas colossais, que investiram, a curto prazo, em todo tipo de valores em baixa: as ações de empresas de tecnologia, as commodities, os papéis de países emergentes como o Brasil.

É lucro na certa, sem arriscar dinheiro próprio. Ao primeiro sinal de que terão de repagar os empréstimos a juro mesmo marginalmente mais elevado, os especuladores apressam-se em capitalizar os ganhos, passando adiante os valores e provocando-lhes a queda. É isso o que os iniciados chamam de "carry trade" e é em relação a esse gênero de precaríssimo remédio que se criou o que Paulo Nogueira Batista Jr. denomina incisivamente da "dependência e(x)terna" da economia brasileira.

Os contrastes e confrontos não param por aqui, porém. É a mesma OCDE, a organização dos países ricos, que espera para este ano crescimento de 8,6% do comércio internacional, taxa que subiria para 10,2% em 2005. Trata-se de recuperação notável quando se pensa que, em 2001, o comércio se reduziu em 1% e, desde então, vinha se reerguendo muito paulatinamente.

Para o Brasil, é notícia excelente. No ano passado, as vendas brasileiras aumentaram 21%, enquanto o comércio mundial se expandia a pouco mais de 4,5%. A aceleração do intercâmbio no mundo deve garantir-nos, para o corrente ano e para o próximo, ao menos a perspectiva de resultado comparável a 2003.
Uma vez mais, no entanto, o que é bom de um lado cria perigos do outro. A explicação é simples: em última análise, o fator responsável pelo dinamismo comercial é o consumo americano. A própria demanda de importações por parte da China só consegue se manter porque os chineses exportam horrores para os EUA, com os quais acumularam, no ano findo, saldo bilateral de US$ 124 bilhões, muito mais que o total absoluto das exportações brasileiras para todo o mundo.

Tudo isso é alimentado pelo buraco negro do déficit comercial americano. Esse atingiu em março a assustadora soma de US$ 46 bilhões, sinalizando que a rápida expansão da economia dos EUA continua a ser a grande locomotiva que puxa para a frente toda a economia mundial, mas lhe agrava os desequilíbrios. Esperava-se que a queda do dólar de quase 30%, desde o pico de 2001, começasse a reduzir o déficit. O petróleo a US$ 41 o barril e outros fatores, entre os quais o crescimento, levaram, ao contrário, ao maior aumento das importações desde 1993. A fim de impedir que o dólar afunde em queda livre, os EUA são obrigados a engolir pantagruélicas quantias de recursos externos, absorvendo e monopolizando boa parte do excedente da poupança mundial e deixando muito pouco para os carentes crônicos de capital, como os países latino-americanos.

Fecha-se, assim, o círculo das oposições, aberto com a citação de Dickens. Vivemos, ao mesmo tempo, no melhor e no pior dos mundos. O que existe de bom está amarrado num país que principia a atolar-se nas areias dos desertos do Oriente Médio, não se sabendo bem até quando os poupadores estarão dispostos a seguir financiando suas extravagâncias. Para o Brasil, que pouco pode fazer em relação ao quadro global, resta uma pequena janela de bom senso: aproveitar, enquanto duram, os ventos favoráveis do comércio, acumular saldos e reservas que lhe permitam tentar demitir-se da máfia financeira, se é que essa variante da "onorata società" aceita um desquite de cavalheiro.

Como viabilizar, na prática, essa mudança ordenada e sensata de estratégia nacional de desenvolvimento é o foco central da grande conferência da Unctad que se realizará em São Paulo em meados de junho. Seu tema principal é justamente o da busca de coerência entre as estratégias nacionais e os processos globais, sejam as negociações de comércio, sejam os anêmicos e intermitentes esforços para tornar menos voláteis os mercados financeiros.

Se estivéssemos em vias de acabar de vez com o protecionismo comercial contra os produtos brasileiros ou de assegurar o acesso do Brasil ao financiamento de que precisa sem sustos nem oscilações violentas, o quadro seria mais tranqüilo. Como infelizmente a realidade é a oposta a essa, o melhor para assegurar a coerência com os tempos adversos é procurar depender cada vez menos de ajuda de fora, pois, como se dizia no tempo da Colônia, "socorro de España o llega tarde o nunca".

...


Anos

2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000

1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar