Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


[eventual.htm]

<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2008

São Paulo - Brasil

 

O perigoso isolamento da agricultura

A saída é diversificar e não jogar tudo na agricultura. O que depende, por sua vez, de câmbio melhor, juros menores      

03/08/08

 

Rubens Ricupero

 

A MAIS inquietante lição do fracasso de Genebra foi a revelação de como são poucos os interessados na genuína liberalização do comércio agrícola. O segundo ensinamento é que as dificuldades serão ainda maiores em âmbito bilateral ou regional, não existindo alternativa satisfatória para fórum de 153 países como a OMC (Organização Mundial do Comércio).


A soma dessas duas parcelas é que economias como a brasileira, cujas vantagens comparativas se concentram em pequeno número de produtos agrícolas, terão opções cada vez mais limitadas para sua estratégia comercial.
Nada ilustra melhor essas verdades do que o impasse responsável pelo fiasco final. De um lado, os EUA, cuja posição só pode ser qualificada de cínica: querem manter o dobro dos subsídios efetivamente utilizados e, ao mesmo tempo, obrigar os asiáticos a abrirem os mercados para produção subvencionada e desleal, que liquidará a agricultura interna.


Do outro lado, a Índia e a China.


Tomam carona na abertura dos demais a suas manufaturas e seus serviços para serem os campeões mundiais do crescimento. Nem por isso abrem o mercado agrícola até para "aliados" como o Brasil, que já se abriram à indústria chinesa e aos serviços indianos e não usam subsídios.


Os europeus, que nunca tiveram interesse sincero pelo êxito de uma negociação concentrada na agricultura, vertem lágrimas de crocodilo para disfarçar a satisfação de terem deixado a outros a culpa pela ruptura.


As últimas três leis agrícolas americanas fizeram com que os EUA passassem de advogados da abertura agrícola a praticantes do pior tipo de subsídio, o ligado ao volume da produção. Com isso, na prática, todas as economias avançadas -EUA, Europa, Japão, Coréia do Sul, Noruega, Suíça- militam contra a liberalização.


Como nenhuma negociação triunfa sem o impulso de um país hegemônico, é duvidoso que essa muralha de defesa deixe passar algo de significativo.
Ainda mais quando, do lado dos subdesenvolvidos, a pressão é, no mínimo, ambígua. Será talvez exagero o apoio de cem países alegado pelo ministro do Comércio da Índia para a proteção da agricultura doméstica. Não andará longe disso, porém, pois, até na América Latina, o México, os caribenhos, a Venezuela pouco têm a ganhar com as exportações agrícolas.


O que sobra é um punhado de gente: Brasil, Austrália, Nova Zelândia, alguns latino-americanos.


Até a Argentina, antes campeã da causa, está hoje empenhada em não pôr em risco sua "reindustrialização". É muito pouco para resultado ambicioso.


Tentar o bilateral ou o regional tampouco resolve. Amarrado numa união aduaneira com a Argentina, o Brasil terá o mesmo problema que teve em Genebra para flexibilizar concessões industriais. Ainda que o consiga, a experiência do acordo de livre comércio da Austrália com os Estados Unidos mostra que serão excluídos os produtos do nosso interesse: açúcar, álcool, suco de laranja, carnes.


A saída é diversificar e não jogar tudo na agricultura. O que depende, por sua vez, de câmbio melhor e de condições macroeconômicas para melhorar a capacidade de oferta: juros e impostos menores, redução dos custos de transação, melhoria da infra-estrutura de serviços. Sem isso, não existe, a curto prazo, alternativa para as negociações da Organização Mundial do Comércio.


...


Anos

2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        

2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar