Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2011

São Paulo - Brasil

 

Sinfonia inacabada

O panorama do mundo lembra uma orquestra que, quando parece chegar ao clímax, recomeça do zero

10/07/2011

 

Rubens Ricupero

 

O panorama mundial lembra o que diziam de Mahler as línguas ferinas de Viena: que ele não sabia como terminar uma sinfonia. Toda a vez que a orquestra dava a impressão de atingir o clímax, a música recomeçava do zero.


Se olharmos para o mundo ao redor é um pouco isso o que vemos. Nos EUA a crise brinca de criar falsas esperanças: a recuperação do emprego e o aumento de produção de um mês são desmentidos no seguinte. Na Europa, a alternância de quebra-não quebra refaz, o tempo todo, o percurso circular Irlanda-Grécia-Portugal, com a Espanha esperando o turno.


Na diplomacia de Obama, dois problemas foram no início separados do resto para serem confiados a mediadores experientes e consagrados: o de Israel e os palestinos a George Mitchell, e o Paquistão-Afeganistão a Richard Holbrooke.
Dois anos e meio depois, Mitchell renunciou, Holbrooke morreu e ambos os problemas estão piores do que antes.


As duas guerras herdadas de Bush não tiveram melhor sorte. A retirada no Iraque e no Afeganistão não deve enganar ninguém. No fundo, corresponde ao conselho que o jornalista francês Bernard Fall deu aos americanos no Vietnã: "Declarem vitória e caiam fora".


A Primavera Árabe é a mesma coisa: não consegue desabrochar em verão. No Egito, ninguém sabe se os militares deixarão o poder; no Bahrein e no Golfo, a democratização foi firmemente contida.


No Iêmen, na Síria, na Líbia, os governos resistem com graus distintos de êxito. Nem a operação militar da Otan contra Gaddafi logrou superar a indecisão.


O que está acontecendo com o mundo? Uma espécie de reprise do "Anjo Exterminador", de Buñuel, na qual invisível maldição impede os convivas de deixarem a casa? Uma "paz dos cemitérios" como o aparente triunfo da reação sobre as revoluções de 1848, que apenas escondia o lento apodrecimento dos antigos regimes?


As razões são provavelmente tão diversas e complexas como os próprios problemas. Contudo não é arriscado afirmar que a mediocridade das lideranças mundiais e as profundas divisões dentro dos países explicam muito da paralisia atual. Não se diga que a culpa é da crise financeira. A década de 1930 foi muito pior, o que não anulou lideranças fortes e resolutas para o bem e para o mal.


Uma dessas lideranças decisivas era a do ex-diretor do FMI Strauss-Kahn. Os que o viram atuar descrevem como se substituía aos líderes nacionais a fim de coordenar não só a sempre dividida União Europeia, mas até o governo alemão!


Sem lideranças convictas, não saem do lugar negociações vitais das quais depende o futuro do mundo: mudança climática, a Rodada Doha de comércio, a guerra das moedas. Quem acredita ainda na expectativa despertada pelo G20?


Inaugurado em meio a entusiasmo mágico, o destino de Obama é fiel espelho da situação geral. Tendo perdido a iniciativa estratégica, o governo contrasta com implacável oposição de demagogos e lunáticos de direita. Nunca foi tão verdadeira a descrição do poema de Yeats: os melhores carecem de qualquer convicção ao passo que os piores estão cheios de passional intensidade. Não é, convenhamos, receita adequada para permitir revigorar uma posição de liderança.


...


Anos

2012        2011        2010        2009        2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar