Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2012

São Paulo - Brasil

 

Natal, natalidade...

O Natal, festa de um nascimento, parece dia adequado para tratar de uma crise despercebida no Brasil: a dos nascimentos

24/12/2012

 

Rubens Ricupero

 

O Natal, festa de um nascimento, parece dia adequado para tratar de uma crise despercebida no Brasil: a dos nascimentos. Desde 2003, quando pela primeira vez se registrou taxa de fecundidade abaixo do nível de reposição da população (2,1 filhos por mulher), os nascimentos caem em ritmo acelerado.

Os dados recentes sugerem que a taxa esteja em 1,8, atingindo já 1,5 em cidades do interior de São Paulo e Estados do Sul.

O país se aproxima rápida e perigosamente do colapso demográfico de espanhóis e italianos (1,2 a 1,3), para não falar dos japoneses. Perdemos da França, da Suécia, dos escandinavos.

O surpreendente (e alarmante) é que até a Argentina e o Uruguai, sociedades maduras, as primeiras a se urbanizarem na América Latina, já nos deixaram para trás. O normal seria que as sociedades prematuramente envelhecidas do Rio da Prata tivessem menos filhos que nós.

No entanto, nos mapas demográficos da América Latina, elas aparecem como tendo fecundidade média, ao passo que o Brasil está na zona de baixa fecundidade.

Os únicos no continente com taxas tão minguadas são cubanos e alguns caribenhos de cultura histórica com mais de um ponto de contato com a brasileira.

E os Estados Unidos, perguntará o leitor? Conservam fecundidade alta, graças aos imigrantes, mas essa superioridade começa a mudar. Estudo recente indica que os nascimentos chegaram ao ponto mais baixo desde 1920, devido à queda geral de 8% de 2007 a 2010. A queda maior foi entre as mulheres imigrantes (declínio de 14%) e das mexicanas (23%), justamente o grupo que antes garantia alta natalidade.

A explicação é a crise econômica, que atingiu, sobretudo, os grupos vulneráveis. Para o Brasil, com pleno emprego, salários em alta, expansão do consumo, tal razão não vale. Aliás, um dos paradoxos brasileiros é que outros índices como a violência e a criminalidade, que deveriam estar caindo com a moderação demográfica e a melhoria do bem estar, continuam a se agravar de modo assustador.

Nos países afetados pela queda da natalidade, o problema está no centro das atenções. Nos EUA, os índices desencadearam debate intenso. Na Rússia, o presidente Putin anunciou um programa de 1,5 trilhão de rublos (US$ 53 bilhões) para recuperar a fecundidade. Se falhar, os 143 milhões de russos serão apenas 107 milhões em 2050. Trata-se, como disse o presidente, de questão de sobrevivência da nação.

A França, país histórico da queda da natalidade, inverteu a situação com política de ênfase em incentivos a famílias com filhos e construção de creches. O mesmo fazem os escandinavos, com resultados que permitiram recuperar parte da fecundidade perdida. Tentam adotar políticas similares a Coreia e o Japão, que temem se converter numa espécie de asilo para idosos.

No Brasil, o assunto é olimpicamente ignorado. Políticas de natalidade ou de imigração soam tão excêntricas como no tempo em que ainda vivíamos a explosão demográfica. Véspera de Natal é um bom momento para refletirmos que o nascimento de um ser humano pode fazer uma enorme diferença!


...


Anos

2012        2011        2010        2009        2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar