Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2012

São Paulo - Brasil

 

Agenda introspectiva

A agenda doméstica monopoliza as energias dos países, deixando pouco espaço para os grandes problemas que dependem da cooperação internacional

26/11/2012

 

Rubens Ricupero

 

A agenda doméstica monopoliza as energias dos países, deixando pouco espaço para os grandes problemas que dependem da cooperação internacional.

Em nenhum outro lugar o fenômeno é tão dramático como na Europa. Lá, a crise estressou tanto o tecido social e político que suscita dúvida sobre o futuro do euro e a sobrevivência da unificação europeia.

O pior da crise parece ter passado nos EUA. Mesmo assim, o gigantesco desafio de reduzir a dívida e o deficit em meio a impasse político assegura que o segundo mandato de Barack Obama continuará dominado pelas questões internas.

O estrago da crise e os cortes no Pentágono tornariam um suicídio voltar a subordinar a agenda interna a guerras como as do Iraque e do Afeganistão.

Por motivo distinto, a China terá de se voltar para dentro a fim de não comprometer a transição da equipe dirigente e o redirecionamento da economia para o consumo interno em lugar das exportações. Para onde quer que se olhe -Japão, Índia, Rússia- o panorama é o mesmo.

A consequência inevitável é que não sobra excedente de atenção política ou de recursos humanos e materiais para os temas internacionais.

Desses o que melhor se espera é que aguardem ocasião favorável, abstendo-se de criar encrenca no momento errado. Como acaba de suceder com o bombardeio da faixa de Gaza, lembrando que a qualquer instante, um erro de cálculo ou uma reação excessiva podem embaralhar as prioridades racionais.

A ameaça de ataque ao Irã devido ao programa nuclear, a guerra sempre latente entre Israel e os palestinos, a convulsão na Síria, o complexo Afeganistão-Paquistão, as rivalidades entre a China e vizinhos sobre ilhas e águas do Mar do Sul da China, são apenas alguns dos focos de infecção crônica na fila dos desafios que esperam por iniciativas de solução diplomática.

Decididamente os tempos não são propícios à diplomacia. Parece difícil imaginar que Obama repita agora as ambiciosas iniciativas de quatro anos atrás. No começo de seu governo, nomeou emissários especiais, Richard Holbrooke para o Paquistão-Afeganistão e George Mitchell para Israel-Palestina. O primeiro morreu, o segundo desistiu. A anunciada intenção de Hillary Clinton de deixar a Secretaria de Estado talvez reflita a baixa prioridade da política externa.

Não é diferente no Brasil, onde a frustração do crescimento dois anos seguidos e o fim do triunfalismo de 2010 obrigam a cuidar de uma economia que pode inviabilizar a continuação do projeto de inclusão social. Nem na América Latina, em que a trégua declarada pelas Farc sinaliza o esgotamento das guerrilhas e a pacificação entre Colômbia e Venezuela remove o último foco de tensão entre países.

Tudo estaria bem se não fosse a falta de atenção aos megaproblemas: a reforma financeira para evitar a repetição das crises e a mãe de todas as ameaças -o aquecimento global acelerado.

A economia talvez possa esperar. O que não pode é o clima que, se aumentar quatro graus como prevê o Banco Mundial, porá fim a todos os problemas pelo método mais drástico: o do apocalipse.


...


Anos

2012        2011        2010        2009        2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar