Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2012

São Paulo - Brasil

 

Sem complacência

A autocomplacência seria a principal característica brasileira, de acordo com Elizabeth Bishop, que viveu anos entre nós, gostava da poesia e da paisagem, mas não era admiradora do caráter nacional

29/10/2012

 

Rubens Ricupero

 

A autocomplacência seria a principal característica brasileira, de acordo com Elizabeth Bishop, que viveu anos entre nós, gostava da poesia e da paisagem, mas não era admiradora do caráter nacional. A palavra pode ser traduzida como indulgência com os próprios defeitos ou tendência de tomar os vícios como qualidades.

Desse ponto de vista, a volta do crescimento baixo terá servido de antídoto ao triunfalismo precoce de dois anos atrás. A tentação de cantar vitória antes do tempo é vezo antigo e generalizado, desde as Copas Mundiais como a fatídica de 1950, em que entramos campeões e saímos perdedores, até o "milagre econômico" frustrado de 1970.

No começo do século 20, o barão do Rio Branco afirmava ser indispensável que, em 50 anos, ao menos quatro ou cinco países latino-americanos atingissem o nível dos EUA e das potências europeias. Hoje, 110 anos mais tarde, nossa renda per capita não passa de 20%, um quinto da americana. Na hipótese inverossímil de crescermos sempre a 4% e os EUA apenas a 1% por ano, chegaríamos a 2030 com 30% da renda deles, menos de um terço!

Não é por masoquismo que temos de repetir essas coisas. Somos um povo exuberante, pouco afeito à modéstia dos suíços e precisamos de um choque de sobriedade de vez em quando. A mais recente chamada de volta à realidade é a mudança para pior da percepção mundial e interna sobre o Brasil.

De repente, dois anos de baixo dinamismo mostraram o que já era evidente: que o país, salvo uma ou outra exceção, crescia a taxa inferior à média mundial, dos emergentes e da América Latina.

Em 2012, comparado aos quatro melhores latinos -Chile, Peru, México e Colômbia-, o Brasil ostenta a menor taxa de expansão e a maior de inflação! Nossa taxa de investimento é inferior em cinco pontos à do México e oito do Chile.

Houve até uma inversão no desempenho. Até o colapso dos 1980, o país apresentava desempenho econômico dinâmico, contrastando com medíocre melhoria dos índices sociais. Agora é o contrário: reduzimos a pobreza, atenuamos a desigualdade, atingimos quase o pleno emprego, mas crescemos pouco e poupamos menos ainda, investindo em infraestrutura só um terço do nível 1970 (2% contra 6%).

O pior é que parece haver uma ligação perversa entre fatores sociais e econômicos, a melhoria da renda, do emprego, do consumo se fazendo em prejuízo da poupança, do investimento, do custo de produção e da competitividade.

Há alguma semelhança entre a situação brasileira e a que levou os europeus mediterrâneos à atual crise de competitividade, sobretudo em relação à alta dos custos produtivos sem compensações de produtividade. Nossa vantagem é não termos crise e dispormos de razoável consenso interno de diagnóstico.

O perigo é que a volta do crescimento induzido por medidas pró-consumo reative a ilusão de que será sustentável. Não é: o combate à complacência obriga a afirmar que só vamos conciliar inclusão social com crescimento se formos capazes de aumentar o investimento e reconquistar a competitividade sem artifícios nem protecionismo.


...


Anos

2012        2011        2010        2009        2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar