Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2013

São Paulo - Brasil

 

Nevoeiro estratégico

Nunca foi tão difícil como hoje captar a essência que define a política internacional. O ano próximo assinala não só um século da Primeira Guerra Mundial, mas 25 anos da queda do muro de Berlim e início do fim do comunismo.

28/10/2013

 

Rubens Ricupero

 

Nunca foi tão difícil como hoje captar a essência que define a política internacional. O ano próximo assinala não só um século da Primeira Guerra Mundial, mas 25 anos da queda do muro de Berlim e início do fim do comunismo.

Entre 1914 e 1989, jamais se teve dúvida sobre qual era o jogo estratégico dominante, ou a respeito da identidade dos principais adversários de cada lado. Quando as guerras mundiais não ocupavam esses anos, uma trégua precária e sinistra antecipava o conflito seguinte.

Faz quase um quarto de século que o vazio criado pelo desaparecimento do antagonismo entre EUA e União Soviética não consegue ser preenchido por nada permanente.

O ideal, é claro, seria que a colaboração para fortalecer as Nações Unidas e resolver os problemas globais do clima e da miséria substituísse em definitivo os conflitos do passado.

Como a consciência moral da humanidade está longe desse nível, o que temos visto é a disputa entre dois conflitos para definir a agenda dos grandes problemas internacionais. Aquele que vem dominando até agora é o choque entre o Ocidente e o fundamentalismo islâmico.

Os problemas do Oriente Médio, que sob a forma da primeira guerra do Golfo tinham se apoderado do centro do palco antes até da morte formal da URSS (31/12/1991), ganharam o componente novo do fundamentalismo religioso depois dos atentados de 11 de Setembro. A partir de então, os EUA vivem no Afeganistão, Iraque, Iêmen, em qualquer refúgio de terroristas. Essa guerra já dura 12 anos, o dobro da Segunda Guerra Mundial!

O desígnio de Obama era libertar-se dessas guerras e transferir o eixo estratégico para a Ásia do Leste e o entorno da China. Lá é que se concentraria cada vez mais o crescimento econômico e de população; nessa área é que os americanos julgavam necessário conter o poderio chinês e tranquilizar os vizinhos assustados com a ascensão do antigo Império do Meio.

As precondições para a chamada política do pivô sair do papel, porém, não se realizaram. A primeira consistia na plena recuperação da economia dos EUA, o que, com desemprego acima de 7%, obviamente não se concretizou, apesar das melhoras. As duas condições seguintes se frustraram ao fracassarem a missão do senador Mitchell junto a palestinos e israelenses assim como a de Holbrooke no Paquistão-Afeganistão.

Não só essas feridas permanecem abertas. Outras novas supuraram: o caos na Líbia, o fracasso da Primavera Árabe no Egito, a carnificina na Síria, da qual Obama foi salvo por um triz pela malícia de Putin.

Nessa região, avanços num setor criam complicações em outros. Israel não confia nas negociações com o Irã, a Arábia Saudita não se conforma com o adiamento do ataque à Síria, a Turquia compra sistema antibalístico dos chineses!

Com tais aliados e desafios, é difícil crer num desengajamento próximo dos americanos no Oriente Médio. O panorama estratégico se parece aos versos do poema de Fernando Pessoa: "Tudo é incerto e derradeiro. / Tudo é disperso, nada é inteiro." Cada vez mais, o mundo está envolto em nevoeiro.


...


Anos

2013        2012        2011        2010        2009        2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar