Home <> busca


Biografia

Conferências

Artigos

Textos na UNCTAD

Entrevistas

Livros

Prefácios

Na imprensa

Contato


<<Voltar

Artigos


Folha de S. Paulo - 2014

São Paulo - Brasil

 

Crimeias brasileiras

A anexação do Uruguai no começo do século 19 e a do Acre, cem anos depois, inspiram reflexões talvez pertinentes à anacrônica incorporação da Crimeia pela Rússia

14/04/2014

 

Rubens Ricupero

 

A anexação do Uruguai no começo do século 19 e a do Acre, cem anos depois, inspiram reflexões talvez pertinentes à anacrônica incorporação da Crimeia pela Rússia.

Os paralelos históricos mancam sempre de uma ou de duas pernas, mas algo se pode extrair de analogias, ainda que imperfeitas.

A exploração oportunista de ocasião favorável é idêntica no caso uruguaio e da Crimeia. A diferença, essencial, residiu na pretensão luso-brasileira de absorver o povo da Cisplatina, de língua e cultura distintas. O resultado foi a desastrosa guerra contra a Argentina e a independência do Uruguai.

O Brasil abandonou de vez o objetivo português de expansão até o Rio da Prata. Contudo, o envolvimento nas querelas uruguaias acabaria por gerar as intervenções armadas que culminaram com a de 1864, causa imediata da Guerra do Paraguai, a mais mortífera da história sul-americana.

O preço em sangue e dinheiro, ressentimento e atraso econômico se mostrou absolutamente desproporcional aos objetivos originais.

O Acre se presta melhor à comparação. Embora pertencente à Bolívia, sua população era quase exclusivamente brasileira, mais até que a russa, que partilha a Crimeia com minorias significativas de outras nacionalidades.

Dizia-se no passado que ele havia sido o nosso Texas: rebelião vitoriosa contra o governo nominalmente soberano e, a seguir, anexação ao vizinho de onde provinha a população revoltada.

Nesse ponto termina o paralelo. No Texas, a anexação provocou a guerra mexicano-americana (1846-1848), com perda de mais de um terço do território do México para os EUA.

No Acre, sem guerra, negociou-se até conseguir, pelo tratado de Petrópolis (1903), a transferência do território ao Brasil mediante compensações financeiras (o equivalente hoje a cerca de US$ 250 milhões), concessões territoriais menores e compromisso de construção da ferrovia Madeira-Mamoré.

Ao rejeitar como "conquista disfarçada" a anexação pura e simples, o barão do Rio Branco a considerou como "procedimento em contraste com a lealdade que o governo brasileiro nunca deixou de guardar [...] com as outras nações [...] aventura perigosa, sem precedentes na nossa história diplomática".

Preferia "transigir que ir à guerra", pois "o recurso à guerra é sempre desgraçado". Acreditava que "as combinações em que nenhum das partes perde e, mais ainda, aquelas em que todas ganham, serão sempre as melhores".

É óbvio que a Bolívia só cedeu devido à vitoriosa rebelião dos habitantes e ao uso, pelo Brasil, de meios legítimos de poder, isto é, sem imposição da guerra e mediante compensações relativas. Parece pouco, mas em diplomacia essa diferença com a Crimeia é incomensurável.

Do Uruguai ao Acre, o Brasil aprendeu e evoluiu. A Rússia continua refém da tradição imperial que presidiu à conquista de seu território.

Dentro dele há mais de cem povos diferentes, alguns em franca revolta, como os do Cáucaso, aos quais não pode oferecer a autodeterminação que exigiu na Crimeia. Ocupamos, nos Brics, as duas primeiras letras; fora disso, nossas tradições diplomáticas são antípodas.


...


Anos

2014        2013        2012        2011        2010        2009        2008        2007        2006        2005        2004        2003        2002        2001        2000        1999        1998        1997        1996        1995       

 

 


<<Voltar